Como esta família sobreviveu a 40 países vivendo apenas de bitcoin por quatro anos

Na passagem da fronteira Kapıkule entre a Bulgária e a Turquia, o Bitcoin Profit não é aceito como forma de pagamento da taxa obrigatória de solicitação de visto. Os Taihuttus, no entanto, não foram dissuadidos.

A família holandesa de cinco holandeses estacionou sua van bitcoin VW California T6 no acostamento da rodovia estadual D.100, determinada a encontrar uma forma de pagar sua passagem com a moeda criptográfica.

Durante quatro anos, a família tem subsistido apenas com o bitcoin. Após liquidar seus ativos, desde suas contas de aposentadoria e carros, até suas roupas e brinquedos, eles apostaram tudo na moeda criptográfica volátil, quando ela era $900 por moeda em 2017.

Eles também fizeram um voto de nunca mais pagar por outro serviço ou bem, a menos que a transação fosse de alguma forma feita em bitcoin.

„Esperamos até encontrar uma pessoa que estivesse disposta a aceitar o bitcoin“, disse Didi Taihuttu, patriarca da chamada Família Bitcoin.

Depois de educar este viajante sobre os méritos da moeda criptográfica, eles instalaram uma carteira de bitcoin em seu telefone e fizeram uma troca de bitcoin por dinheiro.

„Com o dinheiro, compramos nossos vistos“, continuou Taihuttu. „Isso levou a alguns gritos dentro do carro. Posso lhe dizer que minha esposa e meus filhos não ficaram felizes. Mas se você tentar viver a vida de bitcoin, você tem seus altos e baixos“.

As cidades mais amigas do bitcoin do planeta

Desde que o Taihuttus foi tudo em bitcoin em 2017, eles viajaram para quarenta países. A adoção em massa de moedas criptográficas nos últimos anos tornou mais fácil para a família a transação apenas em bitcoin, mas para sobreviver, eles tiveram que ser criativos.

Através de uma combinação de troca, barganha, cartões de débito bitcoin e convencimento de fornecedores a aceitarem a moeda criptográfica, a família conseguiu atravessar grande parte da Europa, Ásia e Oceania.

Mas dizem que existem dois lugares no planeta onde se pode pagar literalmente tudo usando bitcoin: a capital eslovena de Liubliana e uma pequena vila italiana chamada Rovereto.

Em Ljubljana, eles pagaram por coisas como consertos de carros e ingressos de cinema na moeda criptográfica, e em Rovereto, é possível comprar uma motocicleta, pagar seus impostos, ou cortar o cabelo usando bitcoin.

„Eu sempre disse às pessoas: ‚Nunca vou cortar meu cabelo até encontrar um cabeleireiro que aceite o bitcoin'“, disse Taihuttu. „E então entrei nesse cabeleireiro e ele estava aceitando o bitcoin“. Eu fiquei tipo, ‚Oh, não, eu preciso cortar meu cabelo!““.

Para Didi, o fato de tanto uma pequena aldeia tradicional quanto a capital de um país terem abraçado de todo coração o bitcoin foi para ele um sinal de que isso era possível em qualquer lugar.

„Na minha opinião, qualquer país, qualquer cidade do mundo, pode ter a mesma adoção de bitcoin como uma loja de valor, ou pagamento, ou pagamento em dinheiro“, explicou Taihuttu. „Isto é o que continua nos impulsionando a explorar o mundo“.

Gastando versus sentado no seu bitcoin

O preço da bitcoin atingiu um recorde na segunda-feira, pois fechou em 20.000 dólares, e alguns analistas dizem que a moeda criptográfica ainda tem muito espaço para ser mais alta.

Mike Novogratz, CEO da empresa de investimentos Galaxy Digital, acha que este rally de retorno está apenas começando. Ele vê o bitcoin subir para $60.000 até o próximo ano.

Tom Fitzpatrick, diretor global da CitiFXTechnicals, disse que os gráficos indicavam que a bitcoin poderia chegar a US$ 318.000 até dezembro de 2021, em um relatório destinado aos clientes institucionais do Citibank e obtido pela CNBC.

Com estas previsões de alto nível, não é surpreendente que mais investidores estejam escolhendo armazenar sua bitcoin, em vez de gastá-la.

Se você tentar viver a vida bitcoin, você tem seus altos e baixos.
Didi Taihuttu

O número de contas comprando mais de um milhão de dólares de bitcoin e depois transferindo-o das bolsas aumentou 180% de 2017 a 2020, de acordo com Chainalysis, uma empresa forense de cadeia de bloqueio. E os dados da Glassnode mostram que 95% da capitalização de mercado do bitcoin é realizada em carteiras que contêm mais de um bitcoin.

Dados como estes também apontam para o fato de que os investidores mais abastados estão ganhando sua pele no jogo. 2017′s O rally de bitcoin foi largamente liderado pela especulação do varejo, mas em 2020, são os bilionários e corporações que estão comprando bitcoin a granel e, em alguns casos, movendo-o para fora do mercado por segurança.

„Estou vendo muito mais interesse [em bitcoin] este ano do que em 2017“, disse o planejador financeiro certificado Douglas Boneparth, fundador e presidente da Bone Fide Wealth. „Não é mais uma palavra-chave. Está provando cada vez mais ser um ativo legítimo tanto por investidores quanto por instituições“.

É uma moeda ou uma mercadoria?

À medida que mais investidores optam por se agarrar ao seu bitcoin, surge a pergunta: A bitcoin é uma moeda ou uma mercadoria?

Ela pode ser usada para comprar, vender e precificar mercadorias, e os grandes operadores da fintech como PayPal agora permitem que os usuários paguem por compras com bitcoin.

Portanto, sim, é uma moeda

Mas o bitcoin também se comporta muito como ouro e petróleo. Seu valor é altamente volátil, há um mercado onde ele é comprado e vendido, e semelhante a outras commodities, você pode especular sobre o preço futuro do bitcoin através do mercado de derivativos. Além disso, em 2015, a Commodity Futures Trading Commission classificou oficialmente a bitcoin como uma commodity nos EUA.

A bitcoin, portanto, se encaixa em ambas as definições.

Até mesmo Taihuttu, que passou quase meia década usando a bitcoin como seu único meio de moeda, acredita que o papel da moeda está mudando fundamentalmente.

„Acredito que o bitcoin está lentamente se tornando mais uma reserva de valor“, explicou Taihuttu. „Nós vemos o bitcoin como um tijolo de ouro digital que armazena valor, e às vezes, aumenta tremendamente de valor, mas você também pode levar esse tijolo de ouro para uma loja e pagar com ele“.


Microsoft releases passport against Bitcoin-based Coronavirus

Since the Coronavirus pandemic began, one of the greatest concerns for all governments has been how to safely reopen their economies. Appearing as the best model so far the „contact tracking“ implemented in South Korea. And as part of this effort to safely end the quarantine, Microsoft is launching its Bitcoin Rush raised Coronavirus passport.

Experts work on Blockchain passport to monitor COVID-19

The war against the Coronavirus
For at least a century, humanity has not witnessed a crisis like that of the Coronavirus. It has affected absolutely every country in the world, regardless of borders or geographical distance. Causing hundreds of thousands of deaths to mourn. In addition to a deep economic crisis that has brought the world’s major nations to their knees.

Thus, the greatest concern of most governments to date. It has been to obtain mechanisms to be able to end the quarantine, allowing the reactivation of the economy. Without endangering the population while obtaining a vaccine for the Coronavirus.

This has led to the emergence of several technological solutions. These range from custom QR codes implemented in China, which guarantee the health of the person who owns them. Even contact-tracking applications in South Korea. They tell people if they have been in contact with someone infected by the Coronavirus, according to their daily routine.

In the West, a similar solution has not been developed so far. Despite the joint efforts of companies like Google and Apple, to create an application to track the contact of individuals. While respecting their privacy, and keeping the data away from their governments.

Coronavirus crisis is a test for altcoins

The Microsoft Bitcoin-based Passport
But, although there is no definitive solution to this problem in the West. Yes, there have been several proposals that allow the gradual opening of the economy. These include the creation of a kind of virtual passport, based on Bitcoin, which guarantees the health of its holders.

This passport to combat Coronavirus would be a product of the Decentralized Identity Foundation (DIF). A grouping of organizations that would look for a solution to implement contact tracking as soon as possible. Being led by Microsoft and ConsenSys.

If implemented, Microsoft’s Coronavirus passport would make obtaining a person’s medical record quick and easy. Ensuring the decentralization of information, taking advantage of the infrastructure of the Bitcoin Blockchain. Which would prevent any kind of manipulation of the data.

This of course generates fears in several sectors. Those who are concerned that the Microsoft passport may be a way to violate the privacy of citizens. Therefore, even if the capacities to implement this solution already exist, it remains to be seen whether it will be adopted by governments. Which makes this passport our Tip of the Day here at CryptoTrend.


So brennen Sie Disks in Windows mit dem Datei- oder Windows-Explorer

Mit welcher Desktop-App brennen Sie Ihre Daten auf DVDs, CDs oder Blu-Ray-Discs? Wenn Sie an Nero, Roxio, Power2Go oder eine andere Drittanbieteranwendung für Windows denken, könnte es Sie interessieren, dass Sie auch eine kostenlose Option direkt in Ihr Betriebssystem integriert haben. Sowohl der Datei-Explorer als auch der Windows-Explorer haben die Möglichkeit, Daten auf CD, DVD oder Blu-ray-Discs zu brennen. Hören Sie auf, Software von Drittanbietern herunterzuladen, zu installieren oder zu bezahlen, sondern lesen Sie weiter, um zu erfahren, wie Sie eine DVD oder CD brennen mit Windows 8.1, Windows 10 und Windows 7 möchten und dabei die integrierten Tools verwenden können, die von Windows bereitgestellt werden.

HINWEIS: Dieses Handbuch gilt für alle modernen Versionen von Windows: Windows 10, Windows 7 und Windows 8.1.

CD oder DVD brennen in Windows 8.1

So starten Sie den Brennvorgang für Discs

Um das Brennen zu starten, müssen Sie einen leeren oder wiederbeschreibbaren Datenträger in Ihr Laufwerk einlegen. Sobald sich die Disc dreht, erkennt Windows sie und fragt, was Sie tun möchten. Die Eingabeaufforderung für die automatische Wiedergabe sieht in verschiedenen Versionen von Windows unterschiedlich aus, aber die angebotenen Optionen sind ähnlich.

Klicken oder tippen Sie auf „Dateien auf Disk brennen“. Wenn Sie die automatische Wiedergabe deaktiviert haben, werden die oben gezeigten Popups nicht angezeigt. Stattdessen müssen Sie den Datei/Windows Explorer öffnen und Ihr Laufwerk im Abschnitt „Dieser PC“ von Windows 10 oder im Abschnitt „Computer“ von Windows 7 oder Windows 8.1 doppelklicken (oder tippen).

Sie werden von einem Dialogfeld begrüßt, das Ihnen zwei Optionen zum Brennen Ihrer Disc bietet.

Treffen Sie Ihre Wahl je nachdem, wie Sie das Endprodukt verwenden möchten:

  • Wie ein USB-Stick – Dies brennt die Disc mit dem Live File System, mit dem Sie Dateien nach Belieben wie auf einem Flash-Laufwerk hinzufügen oder entfernen können. Auf diese Weise gebrannte Disks sind nur auf Computern mit Windows verwendbar.
  • Mit einem CD/DVD-Player – Diese Option brennt Ihre Dateien und schließt die Disc, so dass sie auf einem CD/DVD-Player oder auf einem anderen Computer abgespielt werden kann. Dateien können auch nach dem Schließen der Disc noch hinzugefügt werden, aber Sie können die bereits gebrannten Dateien nicht entfernen.

So schließen Sie eine Disc-Brennsitzung in Windows 8.1

Gehen Sie im Fenster Datei-Explorer zum Stammverzeichnis des Datenträgers, den Sie gerade gebrannt haben, und deaktivieren Sie alle Dateien oder Ordner, die Sie markiert haben. Klicken oder tippen Sie anschließend in der Multifunktionsleiste auf die Registerkarte Verwalten und dann in der Gruppe Medien auf oder tippen Sie auf Auswerfen.

Es wird eine Meldung angezeigt, dass Windows sich darauf vorbereitet, die Disc auszuwerfen. Warten Sie, bis die Sitzung geschlossen ist.

Jedes Mal, wenn Sie eine Sitzung schließen, werden ca. 20 MB an Daten von Ihrer Festplatte verwendet. Außerdem bietet Windows 8.1 keine Möglichkeit, die Sitzung zu schließen, ohne die Disc auszuwerfen.